BRASIL, Mulher, Livros, Arte e cultura, jogos e esportes

 

   

    Diários da Bicicleta
  Cadê o Revisor?
  Ler para Crescer
  Maria Amália Camargo
  Movimento Livro na mão
  Vivo de Coincidências
  Betty Bib
  Garota Bossa Nova
  Bichinhos de Jardim
  Horas Serenas
  Marcelo Maluf
  Palavra Chave


 

 
     

       
       

       


     
     
    Blog da Paulinha



    Back to Black

    Amy Whinehouse morreu. Nossa, a maldição dos 27, nossa, coitada, nossa, ela estava sozinha, bla, bla, bla. O que ninguém comentou ainda é o que os parentes, amigos e fãs sentiram.

    Eles não sentiram nada. Sentiram muito ao saber o que ela fez consigo mesma.

    A morte da Amy com certeza foi trágica, tortuosa, triste e previsível. Ela sofreu, assim como o mundo sofreu ao saber de suas desventuras. Dizem que a curta Vida dela foi um desperdício.

    Mas uma vez, dizem errado.

    Amy não vai precisar de mais boatos, turnês e gravações exclusivas para ter prestígio. Sua música é imortalizada em apenas poucos anos de trabalho. Sempre saberão de Amy, o que foi um desperdício foram os anos em que ela gastou proporcionando dor a todos que gostavam dela, e principalmente, a ela mesma. Ela que se desperdiçou.

    O que resta agora lembrar, e, por ela, back to black. 

    X_e0ba65e2_large_large




    Escrito por Paula Akkari às 13h53
    [   ] [ envie esta mensagem ] [ ]





    [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]